Aprenda a Extrair Óleos Naturais em Casa

como fazer oleo de coco

A dificuldade de encontrar óleos naturais que nós receitamos aqui no PB para cuidar da pele e cabelos fez com que a leitora Nacar  Xavier inspirasse este artigo, me pedindo para desenvolver uma forma de produzir óleos naturais em casa. Como a Nacar está grávida de gêmeos e dá azar negar desejo de grávida, lá foi a escrava Lô arrumar um jeito fácil e prático para as adoradoras de óleos naturebas (não é o meu caso, vocês sabem). Estou muito feliz com a comunidade PB que, vocês, queridas leitoras, estão formando! Mas olha… Tenham pena de mim, viu? A escravidão já acabou!

 

Bom, no laboratório a extração do óleo é fácil, rápida e eficaz com o uso de prensas e solventes, uma beleza! Amo tudo isso! Porém, vocês não possuem os recursos, é claro, e vão ter que fazer da forma artesanal, como as comunidades tradicionais das regiões produtoras fazem. Então, despertem a cientista maluca que há dentro de toda mulher (ou bruxinha, índia, sábia, tanto faz) e mãos à obra, já que vocês vão ter que usar um pouquinho da capacidade de “intuição” de vocês para acertar a quantidade da matéria in natura (pequi, abacate, coco, buriti, etc.). Mas não é difícil não. Vou dar uma ideia aqui pra vocês. Talvez, nas primeiras vezes, vocês façam óleos pouco concentrados, mas depois que pegarem a “manha” da coisa produzirão ótimos óleos! E vão ficar viciadas em fazer. Garanto!

 

Eu prometo que vou tentar ser didática kkkkkk e não vou usar palavras técnicas, tá? Vou falar bem fácil! E vou contar um segredo para vocês: eu sou neta de índia. Meu olho puxado não é oriental não! É de índio mesmo! Então, esses métodos de extração de óleos e outras técnicas fitoterápicas são coisas muito comuns nos cadernos de receitas aqui em casa. Mamãe é craque nisso e minha avó, diga-se de passagem, vive disso. Meu irmão, por exemplo, odeia remédios e se cura com chás. Eu que sou do contra e resolvi amar química, laboratório, engenharias,cálculos e essas coisas de doido.

 

Espero que gostem!

  1. A primeira coisa a fazer é separar uma boa quantidade de polpa! Um prato cheio de polpa tá bom. É o suficiente para uma boa garrafinha! Então, meninas, retirem a polpa da fruta ou fruto que vocês escolheram e amassem bem (ou triturem no liquidificador com um pouquinho de água morna, esprema a massa num pano de algodão bem limpo até extrair o máximo de líquido- esprema muito, horrores kkkk Esta é a parte da prensa mecânica que vocês não possuem, então, vai ser no braço mesmo). Usem o cérebro! Cada fruto tem uma característica, então, uns precisarão triturar, outros não! Confiem em vocês!
  2. Aí, deixe esse líquido que você extraiu na geladeira por 12 horas.
  3. Após as 12 horas, o líquido já deve estar separado (você observará uma massa de textura pastosa em cima e um líquido embaixo). Descartem o líquido (parece um soro) e fiquem com a massa pastosa.
  4. Aí, vocês vão colocar a massa pastosa extraída em banho maria. Toda dona de casa sabe fazer isso! Fogo beeeeeeeeeeeem baixinho (se tiverem um termômetro culinário, tentem manter entre 45 e 50 graus-dica da minha mãe). Aí fiquem mexendo com uma colher de pau. Mexam, mexam (estão vendo como eu estou melhorando minha didática?) kkkkkkk atéeeee evaporar a água da polpa! A pasta vai fritando e o óleo vai separando naturalmente.  Não se preocupem que vocês vão perceber quando a água está evaporando. Sabe quando a gente faz brigadeiro? A gente coloca o leite condensado lá todo aguado e depois de um tempinho ele começa a ficar consistente. Pois é… É a mesma coisa! Vamos lá meninas, façam! Sem medo!
  5. Aí é só coar! Fácil, né? Etiquetem e guardem na geladeira. Usem frascos/garrafinhas esterilizados (esquenta lá o bicho até matar tudo quanto é coisa ruim)! Dica da minha mãe: deixem um pouquinho da polpa coada junto com o óleo no vidrinho que fica chique.


Mas, tem um porém. Há frutos que precisam de um passo a mais pois produzem pouco óleo com muita polpa, tornando o processo ineficaz. Para resolver isto, sigam as instruções:

  • No primeiro passo, adicionem um óleo (uma parte de polpa para uma parte de óleo). Pode de ser óleo de oliva, milho, qualquer um cheirosinho. Batam essa gororoba no liquidificador e depois sigam os outros passos descritos acima.
  • A dica é que, quando a água estiver evaporando, a mistura da polpa com o óleo começa a ficar meio transparente!
  • Este óleo que você vai adicionar à polpa vai ajudar a extrair os lipídios. Confiem que é assim mesmo!

O último óleo que minha mãe fez foi o óleo de coco babaçu. Diz que é para passar no cabelo para proteger a cor e para evitar a queda. Vocês estão cansadas de saber o meu posicionamento quanto a isto, por isso, eu peguei o óleo e fritei um ovo! Ficou uma delíiiiicia!! Comi até enjoar com farinha amarela bem torradinha! Huuummmmmmmm

 

Experimentem!!!

Meninas, não tem segredo! O método é por tentativa e erro. Tentem fazer que vocês irão aprendendo, aos poucos, os tempos, as texturas… O mais fácil de fazer é o óleo de coco. Comecem por ele!! O óleo de coco (usado como alimento e não pra passar no cabelo, tá gente?) faz maravilhas impressionantes para a saúde, principalmente para as mamães e bebês, e merece uma matéria especial!
Se ninguém acertar fazer, me avisem aqui nos comentários que eu vou filmar a minha mãe fazendo um, prometo!

author avatar

Engenheira e pesquisadora. Adoro fazer testes e fórmulas exclusivas para o PB. Amo química, neurociência e sorvete.