Por Que o Cabelo Cresce Se Ele é Tecido Morto?

estrutura do fio de cabelo

Me deparei recentemente com o seguinte comentário da leitora Maria: ” Você sempre diz que o nosso cabelo é um tecido morto então porque ele cresce se é morto?” – Primeiramente, achei que o tom da pergunta foi um pouco acusatório… ” Você sempre diz…” Depois pensei que esta pessoa estava me sacaneando, afinal essa pergunta parece óbvia demais, mas por fim eu me desencanei e me lembrei da regra mais importante para um professor (sou professora de profissão) – Não existe pergunta estúpida!

Sim, eu sempre digo que CABELO É TECIDO MORTO – mas isso não é invenção minha, isso é um fato científico muito bem estudado, compreendido e propagado. Há apenas algumas células vivas na raíz dos fios, mas a parte do fio que deixa a epiderme, ou seja que sai do couro cabeludo, já é morta e não é capaz de sintetizar proteínas e nutrientes.

Por que o cabelo cresce se ele é tecido morto?

O cabelo em si não cresce, pois como já disse, cabelo é tecido morto. Seu cabelo se torna mais longo pois mais cabelo (concentração de queratina) é formado no folículo (raíz) e assim o cabelo novo empurra o cabelo velho e ele cresce de cima para baixo. O mesmo acontece com a unha, que cresce da raíz para baixo e também é tecido morto.

Por isso não adianta cortar o cabelo para fazê-lo crescer, não tem nenhuma ação ocorrendo nas pontas ou comprimento dos fios, da mesma forma nutrição dos fios é uma grande mentira!

CABELOS LONGOS

Todas as perguntas, dúvidas e comentários são muito bem vindos no PB. Eu nem sempre posso responder a todos prontamente, mas nós temos a Lô que também é blogueira do site e leitoras que nos ajudam, como a Paola, Bia, Tânia, Vanessa e todas as outras que puderem e quiserem contribuir. Fiquem à vontade em iniciar uma discussão saudável no site entre vocês, o PB é uma comunidade e um fórum aberto à todas opiniões, desde que essas sejam expressadas com RESPEITO.

author avatar

Maquiadora e cabeleireira nas horas vagas, blogueira e professora de inglês. Adoro o estilo dos anos 60, músicas dos Beatles, Xbox 360, política de esquerda e filmes de terror.